Nunca chame um ursinho de Maomé

Note: This is an old post. The opinions and views expressed here may not reflect the author's current thinking.

Gillian Gibbons, professora primária britânica, permitiu que seus alunos chamassem um ursinho de pelúcia de “Muhammad” (Maomé). Um funcionário da escola, vendo o “absurdo” que estava ocorrendo na escola, fez uma denúncia ao Ministério da Educação. A professora foi presa, e milhares de sudaneses saíram às ruas com paus e facas pedindo sua execução, gritando “Tolerância zero: Execução” e “Levem-na ao paredão de fuzilamento”, por “ofender intencionalmente o Islã”. Gibbons teve que ser transferida para não ser linchada. Segundo um primata do movimento, “Esta é uma mulher arrogante, que veio ao nosso país com vistas em seu salário em dólares, para ensinar a nossas crianças o ódio pelo profeta Maomé”

Com uma história como essa, é difícil não generalizar. Pode ser que chegue alguém e diga que o verdadeiro Islã não é assim, que isso é extremismo e que tudo depende da interpretação do Alcorão. Ainda assim, é uma religião essencialmente violenta e opressora. Afinal, o que esperar de uma cujo nome significa “submissão”? Ou que condena à morte o uso do nome do profeta em um simples brinquedo, enquanto milhares de terroristas têm o mesmo nome?